sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Sonhos graciosos - Elas

Como se não ouvisse meus gemidos baixinhos, ela seguia em frente com o cuidado e a firmeza de uma  profissional que sabia o que fazer. Eu, tímido, tentava esconder o receio, talvez medo, de algo inesperado. Um suor frio percorrendo meu rosto e uma preocupação inconsciente me deixando tensas, as pernas. Sem me olhar diretamente, sussurrou-me pedindo que ficasse tranquilo e confiasse nela. Naquele instante eu não tinha outra alternativa. Suspirei fundo e tentei encontrar uma forma de me posicionar para relaxar…

As primeiras horas da manhã do dia anterior, foram de expectativa e muita paciência na espera, favorecidas pelos muitos anos de meditação na busca de algo, sem saber o que. Talvez da resignação e conhecimento de nossa insignificância perante a imensidão do universo. Depois de uma viagem de entrega, onde o sono induzido nos leva ao nada, nos primeiros minutos do despertar, estava ladeado por outros viajantes. Cada um, ao seu modo, regressando com suas dores, esperanças e novas perspectivas para a vida. Qual Sinclair, em um livro de Hermann Hesse, ferido pela guerra, senti-me parte de um mundo que simplesmente se move. Sem se preocupar ou tentar entender os desígnios da vida. Os horrores, gritos e dores de cada um, sufocados por suas entregas solitárias. Mas a vida não para. As rodas girando nos levam para outros lugares que, pacientes, nos esperam…

Endireitou-me na cama e, após todas as providências, ajeitou o lençol e o cobertor. Observou o termômetro com um sorriso escondido nos trejeitos faciais e, com um movimento leve, assentiu positivamente com a cabeça. Recolheu seus apetrechos e, apagando a luz, seguiu sua jornada pela noite, envolvida pela sublime tarefa concedida aos nobres de coração, de cuidar das pessoas. Com os olhos semicerrados pude vê-la se afastando. Era um anjo da guarda que nessa madrugada, cautelosamente,  cuidava dos passageiros daquela barca que nos conduzia de um suposto inferno para o céu da boa nova. Minha gratidão a todas as enfermeiras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário