quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Sonhos graciosos - Mulheres em minha vida

Minha intenção, nessa noite, era ter comigo uma mulher meiga... Que me dissesse palavras doces, carinhosas e sussurrasse em meu ouvido histórias de amor. Havia assistido novamente aos filmes “Sans soleil – La Jetée”, de Chris Marker e fora para a cama com aquele sentimento de incompreensão que me consome quando percebo coisas belas sem compreendê-las muito bem. Lembro-me que alguém disse: “Todas as mulheres guardam algo de indestrutível e o trabalho dos homens é evitar que elas o percebam”. Nessa noite eu queria ter comigo uma bela mulher ao meu lado. Bela e forte. Que me deixasse leva-la à percepção de que eu queria conhecer seu lado indestrutível e aceita-lo, ama-lo. Preparei-me para uma grande noitada.
Com a mente fervilhando de expectativa, ouvi, sutilmente, a porta do coração se abrindo e ela, de mansinho, entrando e me dizendo "All off me"...

Billie Holiday suavemente me acariciava com sua doce voz, me levando quase ao êxtase, quando nos perdemos de nós mesmos. Incansável, ela seguia com um sussurro que me fazia estremecer a alma. Foi nesse estado de transe que percebi que se aconchegara, ao meu lado, uma outra mulher. Linda, com olhar penetrante e voz forte. Ambos sustentados por uma grande fragilidade. Maysa me dizia: "Ne me quitte pas... Ne me quitte pas". Por mim, jamais a abandonaria. Mas os olhos já estavam pesados, sonolentos. Nunca estivera com duas mulheres tão lindas me dizendo palavras tão doces que soavam como um acalanto para eu dormir. Resolvi que as aceitaria.

Em um transe que misturava sentimentos variados, eu ouvia, além de suas belas vozes acariciando meus ouvidos e aquecendo meu coração, uma confusão de vozes me dizendo: “Mas a história só é amarga para os que a querem doce...”. Outro ainda: “... um cão esperava seu dono todos os dias na estação. Um dia o dono morreu e o cão não soube. Continuou a esperá-lo a vida toda”. Acordei assustado e pensei: Eu as espero a vida toda. Eternamente.

Lúcido e esperançoso, procurei por elas, mas não as encontrei. Virei para o lado e, cochilando, quis te-las comigo novamente. Não sei se dormi, mas ouvi um barulho na porta e senti alguém afastando a coberta e se aproximando lentamente de mim. Podia perceber o seu calor. Era Carmen Mcrae que me dizia com sua voz poderosa e sensual: "My foolish heart"... Fechei os olhos e deixei que ela me levasse nessa viagem. Não sei se sonhei ou se foi verdade, mas tenho certeza que por minha cama ainda passaram Diana Kroll, me dando a segurança que eu precisava para dormir: "Just the way you are" e, para que eu me sentisse feliz novamente, talvez Maysa tenha voltado. Pode ter sido um sonho, mas me pareceu que com ela, estavam Edit Piaf e Amália Rodrigues...

Nenhum comentário:

Postar um comentário