segunda-feira, 19 de março de 2018

A viagem...

“Ao lidar com malucos, o melhor é fingir que somos sãos.” – Hermann Hesse

Tomei um táxi com um amigo violonista e conversamos durante todo o trajeto sobre música. Ao deixarmos esse amigo, próximo à Avenida Amazonas, o motorista me disse que ouvira nosso assunto sobre música e que queria me aconselhar a tomar muito cuidado com as drogas. Segundo ele, os músicos gostam muito de drogas e bebidas. Que a bebida é ainda pior, pois destrói famílias e mata, aos poucos, aquele que se entrega ao vício. Disse também que a música que não tem como objetivo a adoração e a celebração de Deus é algo perigoso. O rock então... (Palavras dele).

Lembrei-me do Heavy, do Metal e em meu íntimo, sorri divertido e pensei: tenho pena de alguns amigos meus. Queimarão no fogo do inferno eternamente. Estão perdidos.

Seguindo a “viagem” ele me deu uma aula sobre a bíblia e os mandamentos, sem me deixar falar. Observei-o um pouco, enquanto falava, e senti que tinha ao meu lado um homem bom. Crente e sincero. Que acreditava profundamente no que dizia. Ou melhor, vivia intensamente tudo que acreditava.

Chegando ao destino, estacionou e desligou o carro. Após receber pela corrida e me dar o troco, falou durante mais algum tempo. Sempre sozinho, sem me olhar nos olhos nem me deixar despedir ou argumentar. Contou-me que fora alcóolatra e que durante muitos anos tentara tocar um instrumento. Que Deus o havia colocado no caminho certo. Percebi que ele olhava para o “nada”. 

Interrompi-o finalmente e, agradecendo, desci de seu carro. Ele me chamou e me deu um papel como aqueles antigos “Santinhos”, e disse:

- Cuidado...

Novamente agradeci e segui em frente. Hoje, meses após esse episódio, encontrei em minha bolsa esse papelzinho, onde pude ler: “E procurai a paz da cidade, para onde vos fiz transportar em cativeiro, e orai por ela ao Senhor; porque na sua paz vós tereis paz”. Jeremias 29:7No verso do cartão havia uma foto e os escritos: Confie em Deus. Vote (?) para Deputado Federal.


O amigo que não pôde desfrutar da conversa (?) é o violonista Lucas Telles.