quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Não posso...


De cada mulher eu quero um beijo, um abraço e um afago nos cabelos... Mas não posso.

Quantas mulheres eu amo, mesmo sabendo que nunca vou encontrá-las. Quantas talvez me amem e nunca me encontrarão.

Amem todos os dias, todas as horas e todos os minutos da vida. Juntos, façam sempre o jantar. Mesmo se for simples, façam com carinho e ponham a mesa com cuidado e bom gosto. Se quiserem, ponham música para tocar ou aproveitem o lindo som do silêncio que embala as paixões. Alimentem os olhos, os ouvidos, a alma e o coração. Apaguem a luz da razão e acendam velas de sonho.

Caprichem na entrada. Reguem o alimento com um bom vinho branco, verde... Deixem o tinto para os momentos mais decisivos do jantar, do namoro.
Depois, que venha a sobremesa. Mas não se esqueçam de um licor que acaricie o peito com doçura, que  aqueça a alma e aguce o sentimento de desejo, de amor e de verdade. Sejam autênticos sempre. O amor só suporta a autenticidade. Abomina as futilidades.

Depois vão os dois para a cozinha e retirem os restos dos pratos. Tudo que não se quis durante o jantar. Lavem e enxuguem os talheres, copos e deixem tudo limpo, bonito. Em todos os prazeres há restos que devem ser removidos. Não temam as mãos secas após lavarem a louça. Então olhem nos olhos amados e digam: Tudo está como deve ser. Tenham uma noite feliz, abraçados e aquecidos.

Sonhem com poesia...

Se você está só, faça tudo isso mesmo assim. Ame a si mesmo e deixe a porta aberta para que seu amor possa sair e encontrar alguém que certamente estará à espera dele em algum lugar, com um livrinho azul aberto em suas mãos, contendo em suas páginas: Ame, ame e ame.

De cada mulher eu quero um beijo, um abraço e um afago nos cabelos... Mas não posso.