sábado, 22 de abril de 2017

A solidão da existência em Hermann Hesse

A evolução pessoal e espiritual por meio da experiência estética vivenciada  na arte é constante na obra de Hermann Hesse, escritor alemão, nascido em Calw e naturalizado suíço.
Desde suas primeiras obras até a maturidade plena, quando produziu seus grandes romances, seus personagens, quase sempre espelhos de sua realidade, encontram na música e na pintura, principalmente, o impulso criador como mola propulsora para o enfrentamento da realidade e contingências do dia a dia. Em um paralelo entre a vida vivida intensamente, em meio às suas complexidades, a evolução rumo ao conhecimento por meio da experiência diária e o embate com a fragilidade do ser, confrontando com as regras de comportamento e luta pela sobrevivência, vemos o nascer de um outro componente: o homem enquanto individuo pensante, com suas necessidades, qualidades e desejos de auto afirmação, na solidão de sua existência.

Hesse, como Nietzche, considerava a música uma arte feminina, que se organiza por meio de harmonia e sons puros, alheia à representação de objetos em contraponto com a pintura, uma arte masculina, de representação e realismo.

Gertrud, romance de 1910, considerado musical, aborda com lirismo e suavidade a possibilidade da transformação, pela criação, das diferenças e deformidades humanas, em arte sublime. Toda a transparência melancólica de seu personagem, frente ao desgaste imposto por sua condição física, nos conduz ao vislumbre da possibilidade de trilhar um caminho iluminado pela arte, rumo à redenção da vida. Gertrud, mesmo não sendo a personagem central, traduz o ideal da estética artística, num misto de beleza e desejo, não apenas físico, mas também de impulso à criação.
Com inúmeras interpretações possíveis, o romance contém, em sua temática, como em outros livros do autor, um diálogo e busca de convivência entre o intelecto e o empirismo, o sonho e a realidade, o sagrado e o profano.
Hermann Hesse compõe e constrói uma atmosfera melancólica enriquecida pelos questionamentos do confronto entre a arte e a vida, que antecipariam os anos difíceis que impulsionariam a destruição,  presentes na origem do terceiro Reich.

Rosshald (1914), nome do romance e da propriedade onde vive o pintor Johann Veraguth, mostra o processo de redescobrimento da personalidade e a busca de identidade do protagonista. O personagem reúne em si as várias facetas do sentimento humano: um casamento em crise, o amor incondicional por um filho e os conflitos com um outro filho mais velho. Momentos diferentes da vida, embalados pelo mesmo sentimento, em suas variadas formas objetivas e subjetivas. Em meio a todos esses sentimentos, a pintura serve como um suporte para a aceitação e continuação da vida, onde o personagem consegue mergulhar para transpor o que, no dia a dia, surge como intransponível. Rosshalde torna-se uma prisão onde Johann Veraguth vive uma vida sem sentido. É por meio da visita de um amigo, o personagem Otto Burkhardt que nos deparamos novamente, com o questionamento da vida, quando o pintor faz uma análise de sua história pregressa em busca de sua identidade, tendo a arte como clarificadora de tudo o que ele poderia ser. O auto conhecimento o levará a soltar as amarras que o prendem a Rosshalde, elipse dos conceitos impostos pelo sistema, com suas travas criadas no ambiente de formação. Filosofia, intelecto e criação amparando o pensamento que nos conduz à dificuldade de viver um dia por vez, frente às intempéries e desilusões mas que, no enlaçar das pontas, nos levarão às realizações plenas, com o domínio de nossas funções no meio em que vivemos. Hermann Hesse nos possibilita infiltrar na forma de olhar do artista, nos conduzindo, assim, ao encontro de nós mesmos, quando, paralelamente à leitura, repassamos nossos valores, sonhos e desejos frustrados, devido à inércia do comodismo, adquirida pelo exercício de uma pseudo-segurança que nos conduz aos valores e sistema de regras em que vivemos.

Escrito durante uma crise existencial, como as que precederam suas importantes obras, em 1927 é lançado aquele que seria considerado um de seus mais importantes romances:  “O Lobo da estepe”.
Hermann Hesse confronta nesse romance a solidão e o desregramento humano com seu lado essencialmente puro. Harry Haller, personagem central que se autodenomina “Lobo das estepes” curiosamente tem em seu nome as iniciais do autor, fato que nos leva a crer na, sempre presente,  duplicidade de seus personagens, onde se confundem a ficção e a realidade. Harry Haller é um homem hipocondríaco, triste, com forte tendência para o sofrimento, vivendo em uma sociedade dividida entre a decadência europeia humanista e a crescente evolução tecnológica norte americana. Vive essa duplicidade com incapacidade de se encontrar ou se posicionar escolhendo uma ou outra. Em um encontro casual com Hermínia,  nome feminino de Hermann, ela lhe apresenta um mundo novo, onde, repassando ou se confrontando com seus ídolos, Harry terá que aprender a rir de si mesmo. Encontrar em si a ironia superior perante a vida.

A arte e a realidade expostas por seus ídolos Mozart e Goethe, o levarão ao encontro da harmonia entre o homem e o lobo existentes em si mesmo. Uma visão bem humorada de si e do mundo que o cerca, com suas relatividades, dúvidas e diferentes facetas. A reação a essa obra de Hermann Hesse teve uma receptividade controversa. Para alguns, considerada uma obra inútil. Para outros, um marco do preexistencialismo. Os movimentos hippies, principalmente, viram em seu caráter alucinatório, um modelo de obra que acolhia o movimento.
Em sua essência, “O lobo da estepe” é uma obra que aborda a vida urbana como algo que desintegra a cultura e os aspectos psicológicos do ser, retratando uma cultura, aos olhos do artista, desprovida de senso de humor e leveza. Solidão, aspereza e falta de cuidado no trato com as pessoas, tornam-se alternativas comuns para suportarmos o fardo imposto, por nós mesmos, na condução de nossas vidas.

Fruto de sua maturidade como um escritor que questionou conceitos, condutas políticas, visitou e conheceu culturas diferentes, surge em 1943, “O jogo das contas de vidro”.
Embora seu argumento seja simples, a obra possui grande complexidade, ao abordar um sistema de regras para a condução da vida, idealizada a partir da criação de uma ordem em que se prevaleça o cultivo do espírito e o empenho na construção de um novo mundo, frente ao cansaço causado pela decadência cultural. Conhecida como a Ordem de Castália, nome que deriva da província pedagógica de Castália, ideada por Goethe, ali vivem seus membros em condição quase monástica, sem aceitar os frutos e êxitos mundanos. Todos tendo como objetivo a busca de união de todas as artes e ciências. Como diz o próprio autor: “O jogo das contas de vidro é um jogo baseado em todos os conteúdos e valores da cultura com os quais se joga da mesma maneira como um pintor jogava, em épocas de florescimento, com as cores da sua paleta”. Para se chegar ao domínio de todas as regras, eram necessários anos de dedicação e rigor na  formatação de costumes, além do desenvolvimento de uma conduta e disciplina voltada para a busca da intelectualidade em convívio com a simplicidade nos hábitos.

Seu protagonista Joseph Knecht, em português José Servo, ingressa na ordem de Castália e se sobressai, ao longo dos anos, chegando ao posto máximo de “Magister Ludi”. Com o tempo, na medida em que avança em seus conhecimentos, Joseph Knecht começa uma série de questionamentos acerca da proposta de Castália, de criar um novo mundo. Percebe que esse mundo também está sujeito às mudanças, intempéries e problemas concernentes à natureza humana, como o viver, o morrer e, até mesmo, a solidão das ideias. De seu alto posto, vislumbra outros valores e abandona Castália, partindo em busca de outras experiências. Afastado do mundo fora de Castália e desacostumado do embate do dia a dia pela sobrevivência, ele consegue um cargo de professor para o filho de um amigo, agora político. Pouco tempo após, morre afogado em uma lagoa nas montanhas. Em Hermann Hesse é frequente a morte de seus personagens na água, representando um mergulho no inconsciente. Thomas Mann, com quem Hesse se correspondeu durante muitos anos, diz em uma carta, a respeito de “O jogo das contas de vidro”: “A perplexidade figura também entre os sentimentos com que li a obra; perplexidade ante uma sensação de proximidade e parentesco que, apesar de não ser a primeira vez que me impressiona, o fez agora de forma especialmente precisa e objetiva”. Nessa frase ele faz alusão ao romance que escrevia naquela ocasião, intitulado “Doutor Faustus”, que tratava da vida de um compositor alemão vivendo a solidão da busca de novas linguagens na criação.

Hermann Hesse recebeu, em 1946, o Prêmio Nobel de Literatura. Morreu em sua casa em Montagnola, na Suiça, em 1962, aos 85 anos. Segundo sua esposa Ninon Dolbin, caminhando pelo bosque na manhã anterior, Hesse teria dito, ao puxar um ramo podre de uma acácia: “Este ainda aguenta”. Daí surgiu o poema: “Duma vida demasiado longa, Duma morte demasiado longa, cansada, Ainda um Verão, ainda um inverno”. Morreu na manhã seguinte, enquanto dormia.
Em Hesse convivem a arte e a fantasia com a lógica e o rigor intelectual. Apolo e Dionísio lado a lado, se confundindo no mover da vida. A instabilidade do ser, suas incertezas e a transformação das dores e dúvidas em realizações e transcendência do espírito. O sagrado e o profano.

São várias as leituras possíveis nas obras citadas. Em todas elas, a solidão do ser se confronta com a vida cotidiana, na busca de solução para os problemas que atormentam seus personagens. Embora nos dois primeiros romances, o autor coloque seus personagens em enfrentamento com a dura realidade, percebe-se em ambos, o apaziguamento das incertezas e medos, por meio da criatividade na arte. Em contraponto com essa solução para as amarguras do ser, no romance “O lobo da estepe”, a única saída possível para a vida, aconselhada por Mozart e Goethe é brincar com todos os problemas e medos, sem buscar uma superação racional. Aceitá-los com bom humor sem se levar muito a sério, convertendo-os em experiência vital que ilumine o ser e dê brilho à vida. Já no livro “O jogo das contas de vidro”, o personagem José Servo encontra a si mesmo, a partir do abandono de teses conceituais sobre a vida, de sua substituição pelo viver as coisas simples tendo como suporte o tempo. A vida regida pelo tempo que nos resta para viver; que consome o pensamento humano e nos prepara para o mergulho final no lago da entrega e da impotência frente à certeza da morte.

Na procura do entendimento da vida e de sua posição no mundo, com suas variantes e riqueza de possibilidades, dissera o autor anos antes: “Solidão é independência, com ela eu sempre sonhara e a obtivera afinal, após tantos anos”.